Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



#701 ou das decisões a tomar

Pedro Simão Mendes, em 16.04.16

pensei que arranjar um part-time, entrar em contacto com o mundo do trabalho, me iria ajudar a esclarecer as dúvidas acerca do meu futuro. enganei-me.

até agora, está a ser uma experiência agradável e muito interessante, sobretudo pelas pessoas que tenho vindo a conhecer. mas não consigo imaginar-me a ser operador de caixa nos próximos anos, muito menos fazê-lo como carreira.

tenho a ideia (fixa) de tentar concorrer novamente a uma bolsa de doutoramento na área da cognição humana e, um plano b, de realizar estágio profissional caso isso não dê certo. até lá, o part-time está a ocupar-me tempo, a dar-me experiência e, mais importante, a ajudar-me a sobreviver e juntar algum dinheiro para, por exemplo, ir a congressos internacionais para apresentar comunicações e, assim, melhorar o meu currículo e ajudar-me a obter uma bolsa.

ultimamente tenho repensado várias vezes esta minha vontade de continuar o percurso académico, porque, de momento, o estado da ciência no que se refere a publicações científicas está uma valente treta. a competição ridícula que se vive no meio académico retira-me o entusiasmo que tenho por fazer investigação (para não mencionar também a burocracia e dificuldades que se criam quando se tenta publicar um artigo científico - a propósito disso, leiam aqui um texto interessante). por outro lado, sinto-me um pouco cansado de estudar. claro que estudar/investigar durante 4 anos com propinas de quase 3000€ pagas e um subsídio de quase 1000€ mensais pode ser cenário bastante tentador... se conseguirmos uma bolsa.

paralelamente, tenho tido sentimentos de evasão, de conhecer pessoas novas, diferentes na cultura e na língua. crescer como pessoa, e ter uma experiência de vida que não seja viver com os meus pais e estudar. o serviço de voluntariado europeu, financiado pela UE, é-me também um cenário tentador que não descarto dos meus planos futuros. mas depois tenho receio. medo, até. nos últimos anos perdi a confiança que tinha nas minhas competências e capacidades, embora tenha consciência de que as possuo. não me sinto seguro o suficiente para arriscar, para me lançar do abismo.

o tempo vai passando, e enquanto hora de tomar decisões de vida que teimo em adiar se aproxima, só penso foda-se, não sei o que fazer da minha vida.

típico, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 17:10




mensagens

pesquisar

  Pesquisar no Blog