Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


frutos

Pedro Simão Mendes em 24.11.17

frutos todos ao meu alcance mas sem que nunca lhes sinta o aroma quanto mais seu sabor. aguardo no passar das estações tão estranhas estações pelas sementes. talvez as apanh...

Seco

Pedro Simão Mendes em 21.11.17

Apodreço num Outono seco que queimando se fez Verão. escrito a 14.11.2017

do equinócio de outono

Pedro Simão Mendes em 21.09.17

deitado na cama, aguardo o outono chegar. vi já algumas folhas caídas nas ruas, e as primeiras chuvas, breves, trouxeram consigo a nostalgia desta estação. o equinócio, contud...

Do mar do Norte

Pedro Simão Mendes em 22.08.17

Hoje fui sozinho ao mar. Sentia precisar de um mar que me salgasse a alma e me expurgasse os males que carrego em mim. Mas aqui há demasiado vento, há a nortada. E sentir o sa...

aturdido

Pedro Simão Mendes em 28.07.17

falta-me o rebentar das ondas no ouvido e o salgado do mar na língua. mas longe da costa enche-me de ardor no olhar a maresia. escrito a 28.07.2017

Querer ser inteiro

Pedro Simão Mendes em 23.07.17

Quero o verde dos campos letões vastos no olhar. Quero que as (tuas) cores me encham os pulmões para poder respirar livremente em qualquer lado. Almejo saber ser quem sempre...

A Latvian dream

Pedro Simão Mendes em 13.07.17

Those ephemeral days of green that I grew fond of were the days I lost you to the distance. Their remembrance makes me smile but it’s all over now. It was nothing but a dream....

das noites de Lisboa

Pedro Simão Mendes em 05.07.17

Sonho acordado teus lábios nos meus, e os quilómetros que nos separam esvaem-se momentaneamente. Relembro as noites de Lisboa e quero poder tocar-te ao adormecer todas as no...

um único estio

Pedro Simão Mendes em 06.06.17

um único estio para te ter. um único estio para te perder. um único estio para me encontrar.



mensagens

pesquisar

  Pesquisar no Blog