Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


menos mar

Pedro Simão Mendes em 17.11.18

dá-me a chuva, meu amor dá-me a água doce de um rio ou até a de um ribeiro bravio mas menos mar menos mar, por favor. escrito a 16.11.2018

expansão

Pedro Simão Mendes em 09.11.18

na nudez do teu olhar posso ver o mundo inteiro e logo o percorro na tua pele. expando-me em ti na mudez do teu olhar encontrei minha cegueira mas sei de cor as viagens da...

Frequências

Pedro Simão Mendes em 18.10.18

A frequência absoluta – e relativa – da minha solidão é alta. A dos teus abraços é baixa. Por outras palavras, é comum sentir-me só com os teus tão raros abraços. escrito a ...

Soledade

Pedro Simão Mendes em 30.09.18

Sinto a tua ausência na solidão das minhas mãos. escrito a 29.09.2018

outonada

Pedro Simão Mendes em 23.09.18

quero chamar-te, meu Outono, para que chegues rápido e fiques sempre comigo. esta bucólica saudade em que, envolto, me perco faz sentir-me menos pessoa e mais Natureza. ma...

cismo que

Pedro Simão Mendes em 15.09.18

não há Lisboa para mim. que a leve um outro sismo, desde que tu voltes no fim. escrito a 11.09.2018

Infortúnio #112

Pedro Simão Mendes em 17.08.18

Sempre lhe disseram que iria longe. Nunca saíra dali. escrito a 16.08.2018

solução

Pedro Simão Mendes em 10.08.18

sou sal dissoluto no teu mar. escrito a 06.08.2018

pélago

Pedro Simão Mendes em 06.08.18

guardas tanto mar em ti e ninguém que o prove. escrito a 13.07.2018



mensagens

pesquisar

  Pesquisar no Blog